terça-feira, 30 de março de 2010


Amor e Dor - Edmund Munch

 
Meu Nome é Poesia

Sou impuro, não sou casto,
Não sou duro, não sou puro,
Turvo é o que eu sou.
Sou Ardor, palor, nenhum rancor.
É disso que falo: sou o sem cor.
O amor é a doença (quem disse?)
A dor, a consequência (terrível?).
O amor é o isso que tem vagado,
A dor, não o aquilo, mas o isto no peito
Que tem Gritando, gritando, gritando,
Agora de agonia.
Sabe quem eu sou?
O triste fim do dia,
Meu nome é complexa-excruciante-pungente poesia.


PS: Sou a poesia pesada junto com a soma de tudo aquilo que eu absorvo.
PS²: Apenas complemento do todo.