terça-feira, 29 de abril de 2014

Acontecer:

1.  Tenho estado imerso a uma narrativa sobre família, tempo e folhas secas no chão.
2. Abri o peito e permiti que alguns estranhos bisbilhotassem. Saldo positivo.
3. Me meto por entre uma selva com animais estranhos e, por vezes, perigosos. Sinto medo, mas prossigo. Há uma espécie de “momento-estudo” no ar, no olhar, no quase falar.
4.  Ando místico.
5.  Leio, paralelamente com um amor, o meu primeiro livro de Adélia Prado.
6. Amanhã relevo fotografias do envolvimento corporal-além em tamanho 20x30.
7.  Deitarei vendo um filme sobre um grande muro que separa duas bocas.

8.  Agora chove.

3 comentários:

Edson Granja disse...

9. É sempre um prazer meter-me aqui a pensar na vida e nas coisas porque é nesses momentos de intimidade com o centro de nós mesmos que descobrimos o que há de relevante fora e em lugares que nem imaginamos. Dessa inspiração amiga de um amigo que nos motiva. Um momentos, as horas, são sempre as horas.

seu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
seu disse...

Toda selva detém seus perigos. Construa suas proteções, seus filtros. A misticidade nasceu em você filho da Lua.

E sempre existirá alguns poucos braço que não te deixarão cair. Te amo água viva.