segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Máquina de Escrever


Los afagos-enamorados-dados-aos-emaranhados-enrolados-de-dedos-quentes-que-deslizam-nos-corpos-rostos-socos-queimando-como-veneno-de-anêmona. Drink-de-gás-rarefeito-tomando-cortando-céu-da-boca-aberta-que-implora-beijo-de-beija-flor-safado-parente-de-Bukowski.

Sinto-que-acabo-de-queimar-a-ponta-da-língua-portuguesa-com-ar-ardido-prontamente-com-veneno-de-braços-coloridos-que-não-vivem-sem-o-mar.

Disto-isto-fito-e-deito-calmo-como-o-Polaco-Leminskiano-safado-também-porém-amor-em-estado-bruto-e-tão-terminal-luminescência-quebrando-o-invólocre-dos-olhos-à-força.

2 comentários:

Luca Almeida disse...

Encontro-me-autobiografado-nas-linhas-do-pensamento-teu.
Intensidade-abocanhando-a-simplicidade.
Leveza-no-alimento-cru-da-palavra.
Amo-te.

sabrina menedotti disse...

esse me disse: amém!